Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2012

Poetisa Dellile homenageada no seu aniversário

Imagem
A poetisa Dellile recebeu em sua residencia ontem (29) os poetas do Clube do Poeta Sul da Bahia quando na oportunidade, pela passagem de seu aniversário lhes fizeram uma homenagem, dando-lhe, os parabéns. Veja o flagrante das fotos:

Delile uma poesia de Itabuna

Imagem
PARABÉNS DELLILE! PELA PASSAGEM DE SEU ANIVERSÁRIO HOJE,29 DE MAIO, QUE DEUSNOSSO PAI SUPREMO LHE DÊ MUITA SAUDE E PAZ. MENSAGEM DOS POETAS DE ITABUNA


O Clube do Poeta Sul da Bahia, Itabuna, ontem (09.05) esteve visitando a poetisa Maria Delile Miranda Oliveira, 82 anos de idade, mas com uma saúde física e intelectual de meter inveja a qualquer ser humano. 
Ela é abençoada, e merece em nome do nosso Pai Supremo viver por muitos e muitos anos. Dona Delile recebeu os membros da diretoria do Clube, com poesia e um delicioso vinho do porto. 
Sua residência por um momento foi mais iluminada ainda, com um lindo recital de poesias e histórias da nossa sociedade, através dos poetas: Adeildo Marques, Paulo Lima, Camilo Reis, Joselito dos Reis e Clovisnaldo Argôlo.
Na oportunidade em papo descontraído foram lembrados os nomes do Professor e escritor, jornalista, artista plástico e poeta, Plínio de Almeida, assim como, do jornalista e professor Raimundo Osório Couto Galvão como canais da desenvoltur…

REFLEXÕES, POEMA DE ARISTON CALDAS

Imagem
Este poema do nosso saudoso poeta,  Ariston Caldas, filho da cidade de Alogoinhas, mas escolheu  Itabuna, como sua cidade mãe, antes da sua morte nos entregou este poema, digo: ao fundador  desta entidade literária  Joselito dos Reis. Veja:
REFLEXÕES
Eu quisera ser poeta de verdade
minha musa é somente fantasia
se fico triste invento uma saudade
de coisas que por mim passará um dia.

Falo de estrelas às vezes sem vontade
comparando-as aos olhos de Maria
procuro rimas, perco a liberdade
e não encontro a estrada que eu queria.

Contenta-me, porém, a natureza
olhando um rio, um pássaro, a beleza
de nuvens róseas pelo horizontes..

As palavras me fogem como vento
mas ganho a tela azul do firmamento
e as flores como festa pelos montes.

Obs: Esse poema, com certeza é inédito. Não sei se é o último que ele escreveu. Sei que é muito lindo, lindo....