Antonio Júnior um escritor revelação grapiúna

Escrever é um ofício solitário, somente recomendado para guerreiros. É raro ser reconhecido em vida – principalmente na nossa cidade natal. Sempre o silêncio é o trunfo maior, superado vez ou outra pelas armadilhas da inveja declarando guerra.

É preciso uma grande força de vontade para não desistir, afinal a grande maioria não leva a sério qualquer gênero de arte, a mídia prefere políticos e fatos criminais escabrosos, e os colegas – com raríssimas exceções – não escrevem uma linha sequer para incentivá-lo, muito pelo contrário.
O escritor quase sempre só elogia outro escritor vivo à espera de retorno, ou seja, na forma de uma crítica engenhosa, de um prefácio edificante, de convites etc. Todos esperam a morte do artista para declarar publicamente o seu talento, a sua dedicação, a falta que ele faz. A comédia humana necessita do artista defunto para exaltá-lo. Talvez acredite que morto e enterrado deixe de ser um concorrente. Ah, a inveja é o símbolo exato da mediocridade...

Escrevo essa constatação adquirida em quase três décadas de literatura e outras artes porque estou MUITO FELIZ no momento. Acabo de receber uma mensagem tão carinhosa de um escritor grapiúna, o talentoso autor de “Vida Louca”, ANTONIO NUNES DE SOUZA. Que bacana! Obrigado. Tocou o meu coração.
Antonio Junior


MENSAGEM DO ESCRITOR:

"Conheci o menino Antonio Nahud Júnior saindo da adolescência e buscando sua afirmação dentro das artes: pintura e literatura!
Naquela época, impulsionado pelo ímpeto peculiar da idade, se dedicava com unhas e dentes numa busca constante de uma diretriz, atravessando momentos de erros e acertos, mas, sem nunca desprezar seus intentos e a vontade de realizar seus sonhos, objetivados pela inteligência e o espírito de guerreiro. Sua maior arma era, e é, a de nunca se deixar levar pelo desânimo.

Sempre foi daqueles lutadores que, mesmo quando caem na lona, antes do juiz terminar a contagem, levanta-se e está pronto para continuar a luta e vencer!
Hoje, esse menino já com alguns cabelos brancos nas têmporas, me dá a satisfação de ver seu merecido sucesso nas vertentes mais importantes: Poesia, literatura, jornalismo e cinema!

Ele não se transformou em um homem eclético. Já nasceu assim! Pois, sua alma, mente e personalidade sempre foram recheadas de informações e idéias vanguardistas, só faltando a hora chegar. E chegou como uma explosão maravilhosa de flores que, pela beleza e cores, não é mais um bouquet, mas, um jardim que deve ser admirado por todos que apreciam o que existe de melhor!

Antonio Nunes de Souza”

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"O Menino da Vila Zara" Artigo de Joselito dos Reis

RECUPERAÇÃO DA MATA ATLÂNTICA EM LIVRO

DOIS POEMAS DO NATAL DE JOSELITO DOS REIS