Poema recente de Joselito dos Reis


O virtual

Essa era de falsidades
Aparências e tecnologia
De impotência e de agonia
De amor virtual!

Onde o bem e mal se confundem
Se misturam na usura do poder
Esquecem os sentimentos, a honra
Ferindo a alma e o espírito

Eu grito e ninguém me ouve
Estou como um barco a deriva
Sem tripulação na tempestiva
Em alto mar, vento a soprar...

Os sonhos, os sonhos se foram...
E o poeta  com sua dor na solidão
Hoje de tristeza chora e implora...
Vivendo essa inversão de valores.


Joselito dos Reis
05.06.12
reislito@hotmail.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Professor João Cordeiro de Andrade homenageado pela FTC/Itabuna

Faeg vence edital para semear cultura pelo sul da Bahia

RECUPERAÇÃO DA MATA ATLÂNTICA EM LIVRO