"QUANTO UM POETA NASCE PARA ETERNIDADE AS ESTRELAS BRILHAM MAIS" Jrs..

16/11/2014 15h31 - Atualizado em 16/11/2014 15h46

Jornalista relembra última conversa com o poeta Manoel de Barros

Jornalista frequentava a casa do poeta em Campo Grande.
Martins revela quem era o 'alter ego' do poeta sul-mato-grossense.

Do G1 MS
Jornalista Bosco Martins entrevistou Manoel de Barros em 12/11/2013. (Foto: Bosco Martins/ Arquivo Pessoal)Jornalista entrevistou Manoel de Barros em novembro de 2013 (Foto: João Bosco Martins/ Arquivo Pessoal)
O jornalista João Bosco de Castro Martins fez parte do seleto grupo de pessoas que conviveram e frequentavam a casa do poeta Manoel de Barros em Campo Grande. Ele contou ao G1 algumas passagens com o escritor e relembrou da última conversa com Manoel, em novembro de 2013, quando já estava com a saúde bastante debilitada.
“Após essa data as visitas rotineiras terminaram a pedido da família. Acredito que só os familiares tinham acesso ao poeta”, disse Martins. O jornalista disse que conheceu Manoel no início da década de 80, por intermédio do seu filho, João Venceslau de Barros. “Eu completava 26 anos naquele dia e foi um encontro especial. Tinha ciência da importância do homem de 66 anos”, disse o jornalista.
Alter ego
Para Martins, uma pessoa fora do círculo familiar, que marcou profundamente a vida do poeta, foi um funcionário da fazenda, chamado Bernardo. Um homem humilde, simples, surdo-mudo que foi acolhido e cuidado pelo casal, Manoel e Stella, por várias décadas, até a sua morte. Quando ele morreu, o poeta ficou bastante triste. “Digo uma coisa a você; acho que eu, Manoel de Barros, gostaria de ter nascido ele”, parafraseou Martins.
Manoel de Barros, segundo o jornalista, sempre disse que Bernardo era mesmo uma espécie  de  "alter ego" dele. Para ele, o Bernardo era esse sujeito inocente como uma flor, sem maldades e sem vaidades, falava a língua das águas e tinha o respeito até das cobras.
Reflexões sobre a morte
Martins lembra que, nesse último encontro, conversaram também sobre a morte. Mesmo não gostando muito da palavra, o poeta disse que a “vida é uma coformação”. “Pelas pessoas que se vão, pelas coisas boas que perdemos. Muitas vezes vivemos para perder, principalmente na velhice. O tempo não morre. O tempo nasce. Não devemos ter esse sentimento melancólico pelo tempo que passa. Devemos estar abertos para o novo, para o futuro, para o tempo que vem.”
Aos amigos, Manoel de Barros costumava dizer que o reconhecimento chegou tardiamente. Mas nunca mostrou vaidade ou tentou ‘explicar’ a sua poesia. Nas conversas com amigos, falava do cotidiano, da vida simples, nunca se gabava de sua obra.
Morte
Manoel de Barros faleceu na manhã da última quinta-feira (13), no hospital Proncor, na capital sul-mato-grossense. O escritor, que estava com 97 anos, foi velado e enterrado no cemitério Parque das Primaveras.
Manoel de Barros escreveu e lançou mais de 25 livros.  Manoel de Barros deixou esposa, uma filha, sete netos e cinco bisnetos. O poeta também teve outros dois filhos, que faleceram.
Biografia
Manoel Wenceslau Leite de Barros era advogado, fazendeiro e poeta. Nasceu em Cuiabá, no Beco da Marinha, às margens do rio Cuiabá, em 19 de dezembro de 1916.
Filho de João Venceslau Barros, capataz na região, Manoel se mudou para Corumbá, no Pantanal sul-mato-grossense, onde passou a infância. Nos últimos anos, o poeta morou em Campo Grande e levou uma vida reclusa ao lado da esposa.
Obras
Manoel de Barros publicou seu primeiro livro, "Poemas concebidos sem pecado", em 1937. Seu último volume, "Escritos em verbal de ave", saiu em 2011.
Em novembro do ano passado a editora Leya lançou a obra completa do  poeta, com título de “A biblioteca de Manoel de Barros”. São, ao todo, 18 volumes. A edição especial incluiu um poema até então inédito, “A turma” (2013), o último escrito pelo autor. A coleção também trazia os cinco livros infantis feitos pelo poeta.
No início de novembro, o site Publish News, que cobre o mercado editorial brasileiro, informou que a obra de Manoel de Barros foi contratada pela Alfaguara, selo da editora Objetiva. De acordo com o site, a editora planeja lançar os primeiros títulos no segundo semestre de 2015.
O perfil do poeta no site da Leya destaca que em 1966 ele ganhou o prêmio nacional de poesias com "Gramática Expositiva do Chão". Em 1998, levou o Prêmio Nacional de Literatura do Ministério da Cultura, pelo conjunto da obra. Ao  longo da carreira de sete décadas, ganhou o Prêmio Jabuti duas vezes, em 1990 e 2002, com as obras "O guardador de águas" (1989) e "O fazedor de amanhecer" (2001). Em 2000, foi premiado pela Academia Brasileira de Letras.
Ainda segundo a Leya, Manoel de Barros teve sua obra traduzida em Portugal, Espanha, França e Estados Unidos. Em 2008, foi tema do documentário "Só dez por cento é mentira", de Pedro Cezar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Professor João Cordeiro de Andrade homenageado pela FTC/Itabuna

Faeg vence edital para semear cultura pelo sul da Bahia

RECUPERAÇÃO DA MATA ATLÂNTICA EM LIVRO