VIDAS CRUZADAS É O LIVRO DE WALDENY ANDRADE


"VIDAS CRUZADAS" (Confissões de um enfermo) este é o título do livro que logo, logo estará na praça do  jornalista e radialista Waldeny Andrade. Detentor de vários prêmios na imprensa regional, com certeza, neste livro do  escritor, você ao lê-lo,  deverá encontrar muitas histórias e estórias escondidas  no tabu dos coronéis, desses últimos tempos, que Jorge Amado não teve tempo para narrá-los.  Vamos aguardar!   

Perfil

     Jornalista e radialista profissional, aposentado, viúvo, quatro filhos, 76 anos, curso intensivo de administração de  rádio pela Universidade Estácio de Sá, Rio de Janeiro. Membro da Associação Brasileira de Rádio e Televisão, vice-presidente da Associação Baiana de Imprensa, estudou até o quarto semestre na Escola de Sociologia e Política de Ilhéus (fechada pela Revolução de 1964). Como 1º suplente, assumiu uma cadeira na Câmara de Vereadores de Ilhéus, em 1969 e teve o mandato cassado pelos militares que o consideravam como comunista e subversivo. 
 Trabalhou em 5 emissoras de rádio no eixo Ilhéus-Itabuna, como comentarista político e informações gerais. Acumulou durante 29, anos a direção geral da Rádio Jornal de Itabuna e do  Diário de Itabuna, veículos de um mesmo grupo. Recebeu 8 Troféus Imprensa do Cacau,como melhor comentarista político e melhor diretor de rádio e jornal, da região sul da Bahia. Na área social, é sócio fundador do Lions Clube Ilhéus-Pontal, membro da Loja Maçônica Vigilância e Resistência de Ilhéus e membro da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra – ADESG.

    No memento, está com um livro concluído em Wold, com cerca de 280 páginas, em fase de editoração,  intitulado VIDAS CRUZADAS (Confissões de um enfermo) narrado na terceira pessoa em “flashback” e ambientado em Ilhéus e Itabuna entre os anos de 1957 e 1969, final da era dos “coronéis” do cacau. Enfoca fatos históricos e ficção sobre dramas reais, cobertos por ele no  início de sua a carreira profissional.
 A parte   ficcional  é recheacha de suspense,  contendo frustações amorosas, suicídios,  sequestros, estupros, traições conjugais e assassinatos por encomenda. Tais fatos, verdadeiros e aparentemente isolados, se interligam para um final surpreendente para o leitor.  O verniz de ficção tem o objetivo de ocultar nomes verdadeiros, para de preservar descendentes dos protagonistas ainda vivos

 Do blog expressaounica

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RECUPERAÇÃO DA MATA ATLÂNTICA EM LIVRO

DOIS POEMAS DO NATAL DE JOSELITO DOS REIS

PRODUÇÃO AUDIOVISUAL É TEMA DE NOVO LIVRO DA EDITUS