VIDAS CRUZADAS É O LIVRO DE WALDENY ANDRADE


"VIDAS CRUZADAS" (Confissões de um enfermo) este é o título do livro que logo, logo estará na praça do  jornalista e radialista Waldeny Andrade. Detentor de vários prêmios na imprensa regional, com certeza, neste livro do  escritor, você ao lê-lo,  deverá encontrar muitas histórias e estórias escondidas  no tabu dos coronéis, desses últimos tempos, que Jorge Amado não teve tempo para narrá-los.  Vamos aguardar!   

Perfil

     Jornalista e radialista profissional, aposentado, viúvo, quatro filhos, 76 anos, curso intensivo de administração de  rádio pela Universidade Estácio de Sá, Rio de Janeiro. Membro da Associação Brasileira de Rádio e Televisão, vice-presidente da Associação Baiana de Imprensa, estudou até o quarto semestre na Escola de Sociologia e Política de Ilhéus (fechada pela Revolução de 1964). Como 1º suplente, assumiu uma cadeira na Câmara de Vereadores de Ilhéus, em 1969 e teve o mandato cassado pelos militares que o consideravam como comunista e subversivo. 
 Trabalhou em 5 emissoras de rádio no eixo Ilhéus-Itabuna, como comentarista político e informações gerais. Acumulou durante 29, anos a direção geral da Rádio Jornal de Itabuna e do  Diário de Itabuna, veículos de um mesmo grupo. Recebeu 8 Troféus Imprensa do Cacau,como melhor comentarista político e melhor diretor de rádio e jornal, da região sul da Bahia. Na área social, é sócio fundador do Lions Clube Ilhéus-Pontal, membro da Loja Maçônica Vigilância e Resistência de Ilhéus e membro da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra – ADESG.

    No memento, está com um livro concluído em Wold, com cerca de 280 páginas, em fase de editoração,  intitulado VIDAS CRUZADAS (Confissões de um enfermo) narrado na terceira pessoa em “flashback” e ambientado em Ilhéus e Itabuna entre os anos de 1957 e 1969, final da era dos “coronéis” do cacau. Enfoca fatos históricos e ficção sobre dramas reais, cobertos por ele no  início de sua a carreira profissional.
 A parte   ficcional  é recheacha de suspense,  contendo frustações amorosas, suicídios,  sequestros, estupros, traições conjugais e assassinatos por encomenda. Tais fatos, verdadeiros e aparentemente isolados, se interligam para um final surpreendente para o leitor.  O verniz de ficção tem o objetivo de ocultar nomes verdadeiros, para de preservar descendentes dos protagonistas ainda vivos

 Do blog expressaounica

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Professor João Cordeiro de Andrade homenageado pela FTC/Itabuna

Faeg vence edital para semear cultura pelo sul da Bahia

RECUPERAÇÃO DA MATA ATLÂNTICA EM LIVRO