UM POEMA DE JOSELITO DOS REIS; "O Fim"...

O Fim...

Ontem;
Juventude
Amado, bajulado
Abençoado...

Hoje;
Preconceito
Esquecido, odiado
Abandonado...

Impotente:
Ao atentado ao pudor!
Obrigado a vê
Homem com homem
Mulher com mulher
Se beijarem na boca...

Na rua
Nos bares
Na favela
Na televisão
Na mansão

Ah! Senhor!
Eles, não são inocentes!
Deram início ao extermínio
Da espécie humana...

Deram uma apunhalada na alma
No meu coração
Minha matéria chora
E meus olhos expelem as lágrimas
Da minha dor!

Mas, contudo vivo.
No mundo ainda existem flores!

Joselito dos Reis
01.05.2014






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"O Menino da Vila Zara" Artigo de Joselito dos Reis

RECUPERAÇÃO DA MATA ATLÂNTICA EM LIVRO