GREGÓRIO DE MATTOS. O BOCA DO iNFERNO



GREGORIO DE MATTOS
(1623-1696)
Nascido in Salvador, Bahia. Ha viveu durante trinta anos em Portugal e no período de exílio hum in Angola por suas atitudes e escritos considerados infames para a Igreja e Estado. Influência do século XV, a poesia barroca Português e Espanhol. Lírica amorosa Grande, religiosa e satírica. Descreve com grande acuidade os costumes da Bahia. Poeta amaldiçoado.
Nació em Salvador, Bahia. Há vivido por treinta años en Portugal y um período de destierro em Angola por sus actitudes y escritos considerados infames para la Iglesia y el Estado. Influencia de la poesía quinientista portuguesa y del barroco español. Gran lírico amoroso, religioso y satírico. Describe con gran acuidad las costumbres de Bahia. Considerado poeta maldito. Veja sua poesia:
                                                              SONETO
 
                            Meu Deus, que estais pendente de um madeiro,
                            Em cuja lei protesto de viver,
                            Em cuja santa lei hei de morrer
                            Animoso, constante, firme, e inteiro.
 
                            Neste lance, por ser o derradeiro,
                            Pois vejo a minha vida anoitecer,
                            É, meu Jesus, a hora de se ver
                            A brandura de um Pai, manso Cordeiro.
 
                            Mui grande é vosso amor, e meu delito,
                            Porém pode ter fim todo o pecar,
                            E não o vosso amor, que é infinito.
 
                            Esta razão me obriga a confiar,
                            Que mais que pequei, neste conflito
                            Espero em vosso amor de me salvar.


A JESUS CRISTO NOSSO SENHOR

Pequei, Senhor; mas não porque hei pecado,
Da vossa alta clemência me despido;
Porque quanto mais tenho delinqüido,
Vos tenho a perdoar mais empenhado.

Se basta a vos irar tanto pecado,
A abrandar-vos sobeja um só gemido;
Que a mesma culpa, que vos há ofendido,
Vos tem para o perdão .lisonjeado.

Se uma ovelha perdida e já cobrada
Glória tal e prazer tão repentino
Vos deu, como afirmais na sacra história,

Eu sou, Senhor, a ovelha desgarrada,
Cobrai-a; e não queirais, pastor divino,
Perder na vossa ovelha a vossa glória. 


Aos afetos e lágrimas derramadas na ausência
da Dama a quem queria bem

Ardor em firme coração nascido;
Pranto por belos olhos derramado;
Incêndio em mares de água disfarçado;
Rio de neve em fogo convertidos:

Tu, que em um peito abrasas escondido;
Tu, que em um rosto corres desatado;
Quando fogo, em cristais aprisionado;
Quando. cristal, em chamas derretido:

Se és fogo, como passas brandamente?
Se és neve, como queimas com porfia?
Mas ai, que andou Amor em ti prudente!

Pois para temperar a tirania,
Como quis que aqui fosse a neve ardente,
Permitiu parecesse a chama fria.



Ao Governador Antônio de Sousa de Meneses,
chamado vulgarmente o "Braço de Prata"

Sôr Antônio. de Sousa de Meneses,
Quem sobe ao alta lugar, que não merece,
Homem sobe, asno vai, burro parece,
Que a subir é desgraça muitas vezes.

A fortunilha, autora de entremezes,
Transpõe em burro herói que indigno cresce;
Desanda a roda, e logo homem parece,
Que é discreta a fortuna em seus reveses.

Homem sei eu que foi Vossenhoria
Quando o pisava da fortuna arada;
Burra foi ao. subir tão alto clima.

Pais, alto! Vá descenda ande jazia,
Verá quanto melhor se lhe acomoda
Ser homem em baixo do que burro em cima



AOS VÍCIOS

Eu sou aquele que os passados anos
Cantei na minha lira maldizente
Torpezas do Brasil, vícios e enganos.

E bem que os descantei bastantemente,
Canto segunda vez na mesma lira
O mesmo assunto em plectro diferente.

Já sinto que me inflama e que me inspira
Tália, que anjo é da minha guarda
Des que Apolo mandou que se assistira.

Arda Baiona, e todo o mundo arda,
Que, a quem de profissão falta à verdade,
Nunca a dominga das verdades tarda.

Nenhum tempo excetua a cristandade
Ao pobre pegureiro de Parnaso
Para falar em sua liberdade.

A narração há de igualar ao caso,
E, se talvez ao caso não iguala,
Não tenho por poeta o que é Pegaso.

De que pode servir calar quem cala?
Nunca se há de falar o que se sente?
Sempre se há de sentir o que se fala.

Qual homem pode haver tão paciente,
Que, vendo o triste estado da Bahia,
Não chore, não suspire e não lamente?

Isto faz a discreta fantasia:
Discorre em um e outra desconcerto,
Condena o roubo, increpa a hipocrisia.

o néscio, o ignorante, o inexperto,
Que não elege o bom, nem mau reprova,
Por tudo passa deslumbrada e incerto.

E, quando vê talvez na doce trova
Louvado o bem, e o mal vituperado,
A tudo faz facinho, e nada aprova.

Diz lago, prudentaço e repousada:
—Fulano é um satírico, é um louco,
De língua má, de coração danado.

Néscio, se disso entendes nada ou pouco,
Como mofas com riso e algazarras
Musas, que estimo ter, quando as invoca?

Se souberas falar, também falaras,
Também satirizaras, se souberas
E se foras poeta, poetizaras.

A ignorância dos homens destas eras,
Sisudos faz ser uns, outros prudentes,
Que a mudez canoniza bestas-feras.

Há bons por não poder ser insolentes,
Outros há comedidos de medrosos,
Não mordem outros não - por não ter dentes.

Quantos há que as telhados têm vidrosos,
E deixam de atirar sua pedrada,
De sua mesma telha receiosos?

Uma só natureza nos foi dada;
Não criou Deus os naturais diversos;
Um só Adão criou, e esse de nada.

Todos somas ruins, todas perversos,
Só nos "distingue o vício e a virtude,
De que uns são comensais, outros adversos.

Quem maior a tiver, do que eu ter pude,
Esse'só me censure, esse me note,
Calem-se as mais, chitão e haja saúde! 
 

Comentários

  1. Produtor de Miragens.

    O poeta é acima de tudo um profeta beduíno
    que avista entre os grãos suspensos
    em redemoinho de areia, imagens produzidas
    pelos manifestos desejos do Eu.

    (Dimitre Padilha)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Professor João Cordeiro de Andrade homenageado pela FTC/Itabuna

Faeg vence edital para semear cultura pelo sul da Bahia

RECUPERAÇÃO DA MATA ATLÂNTICA EM LIVRO