O Conselho de Cultura

Às vezes ficamos do lado da máxima do ex-prefeito Fernando Gomes  quando disse, um dia, a um grupo de artistas locais, que “Cultura é frescura”. Temos certeza que não é! Mas, em Itabuna tem decisões que parece que  é!  
Estamos referindo-nos ao apagamento de memória do Conselho Municipal de Cultura criado no então Governo Ubaldo Dantas através dos jornalistas: Pedro Ivo Bacelar, na época diretor do Centro de Cultura Adonias Filho, Juarez Vicente Silva de Carvalho,  Joselito dos Reis, na época editor da página  “Literatura” do Diário de Itabuna e a atriz e advogada, Iara Smih Lima, contando com as participações especiais também dos  jornalista e escritores, Raimundo Osório Couto Galvão e Telmo Fontes Padilha, conforme constava em seu livro de ata. 

A  partir daí, com outras diretorias já sem a participação de seus fundadores, o  Conselho ficou à deriva, bem próximo da completa extinção! De lá para cá, aconteceram eventos culturais em Itabuna  “do arco da velha”, e ficou mesmo uma cultura de frescura.
Apesar da luta pela sua reativação, através  do Clube do Poeta Sul da Bahia, única entidade cultural, desta cidade, de fato e de direito, reconhecida como de Utilidade Pública Municipal, pela Câmara de Vereadores, esta entidade, ao logo de fundação, nunca foi convidada a participar dos eventos culturais locais do município. 
Agora duas entidades a ACATE e a AGRAL promovem, dia 19, próxima, um Seminário para a fundação do Conselho, na Sala Zélia Lessa, quando na verdade será uma refundação. Na certa, não querem ressuscitar um defunto, daí ao convite para a “fundação”.
Ao que parece, os organizadores esperam  obter  recursos, através do Governo Estadual e Federal, para a implantação de uma nova política cultural, adequando-se as normas atuais. Até ai, tudo bem. Esperamos, contudo, que esses recursos realmente venham atender aos anseios da carência cultural de Itabuna. 
A Cultura deve ser realizada em cima do resgate dos nossos costumes, tradições e história contemporânea. Vamos, por exemplo, preservar nomes como os de: José Dantas de Andrade (Dantinhas), Flávio Simões Costa e Adelino Kfoury Silveira, para darmos continuidade à obra desses nossos historiadores, e também realizar um trabalho especial voltado para os nossos novos escritores, poetas e atores, para fazer jus a que disse um dia Caetano Veloso, em entrevista ao Jornal do Brasil, considerando a região sul da Bahia berço emergente da cultura brasileira.     
Enfim, é desejar sucesso  a essa nova iniciativa.
Joselito dos Reis
Poeta e jornalista
        

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"O Menino da Vila Zara" Artigo de Joselito dos Reis

RECUPERAÇÃO DA MATA ATLÂNTICA EM LIVRO

DOIS POEMAS DO NATAL DE JOSELITO DOS REIS