Cyro Matos na academia brasielira de letras

(MAIS) UM ITABUNENSE NA ACADEMIA DE LETRAS DA BAHIA

ON .
TEXTO: ERIC SOUZA (FICC ASCOM), COM PESQUISAS REALIZADAS NOS SITES DA ACADEMIA DE LETRAS DE ITABUNA E ACADEMIA DE LETRAS DA BAHIA. | FOTOS: FICC ASCOM. 
Em seu discurso, Cyro de Mattos fez um relato fidedigno de como rememora a cidade de Itabuna, berço de sua formação intelectual e fonte de inspiração para muitas de suas obras.
WhatsApp Image 2016 11 10 at 22.34.49
O escritor Cyro de Mattos e a presidente da FICC, Nilmecy Santos Gonçalves, em cerimônia de posse de Mattos entre os imortais da Academia de Letras da Bahia. 
Aconteceu nesta quinta-feira (11), em Salvador, o empossamento do escritor Cyro de Mattos na cadeira de nº 22 da Academia de Letras da Bahia (ALB). Mattos, que já atuou também como presidente da Fundação Itabunense de Cultura e Cidadania (FICC), integra também as academias de Letras de Itabuna e Ilhéus.
Na cerimônia de posse, representaram o município de Itabuna Nilmecy Santos Gonçalves, atual presidente da FICC, e a escritora Sônia Maron, atual presidente da Academia de Letras de Itabuna.
Nilmecy Santos Gonçalves disse que a cerimônia foi muito bonita e emocionante, tendo levado o homenageado e recém empossado a refletir no seu discurso o que vinha se estabelecendo ao longo dos últimos dias em termos de sentimento. “Esse momento é muito importante não só para ele como escritor e como intelectual, mas é muito simbólico para Itabuna, berço de tantos outros gênios da literatura e que, agora, tem mais um em sua lista, ratificando a potencial natureza grapiúna para as artes, para a cultura e para as letras. Estamos felizes porque nossa cidade, mais uma vez, com a escolha de Cyro de Mattos para ocupar uma cadeira na Academia de Letras da Bahia, brilha nesta casa numa constelação de estrelas que jamais se apagará e que estará para sempre marcada pelo especial talento proveniente de uma cidade que tem cheiro de cacau e um texto, seja poético, seja em prosa, com os resquícios de nossa história, nosso rio, nossas pedras pretas”, disse a presidente da FICC.
A fala da professora Nilmecy esteve corroborada pelo discurso de empossamento de Cyro de Mattos, que fez um relato fidedigno de como rememora a cidade de Itabuna, berço de sua formação intelectual e fonte de inspiração para muitas de suas obras.
Mattos ocupa, agora, a cadeira que pertenceu originalmente ao poeta Ruy Barbosa e é o número 5 entre os itabunenses que já integraram ou integram a maior casa literária do estado, que já teve como representantes itabunenses os escritores Jorge Amado, Itazil Benício e Hélio Pólvora. Entre os membros efetivos, consta na lista ainda o também itabunense jornalista Samuel Celestino, que escreve para o jornal A Tarde.
34edfbfd 939a 40c2 a85c cc99bc1dfa6d
A presidente da Academia de Letras de Itabuna, Sônia Maron, e a presidente da Fundação Itabunense de Cultura e Cidadania (FICC), Nilmecy Gonçalves. 
Em texto assinado por Cyro de Mattos, publicado no site da Academia de Letras de Itabuna, o escritor fala de sua emoção, ao ter sido escolhido para integrar uma das cadeiras da ALB.  “Durante cinquenta anos,  a minha vida está ligada permanentemente à literatura. Desde que publiquei meu primeiro conto, “A Corrida”, no suplemento literário do “Jornal da Bahia”, dirigido por João Ubaldo Ribeiro, naqueles idos de 1960, nunca mais deixei de publicar artigos, volumes de contos, poemas, novelas, romance e  literatura infanto-juvenil. Cada vez mais tenho amado  às letras, que me ajudam a sobreviver. A literatura tem demonstrado   que gosta de mim. Reconhece meu trabalho. Alguns de meus livros receberam prêmios importantes, no Brasil e exterior. Nove deles foram publicados no exterior”, indica o escritor enfatizando a importância de sua obra não somente na literatura baiana, como também a brasileira e a mundial, ao que continua estendendo as homenagens que recebe à sua família.
“Sou casado com Mariza há 48 anos, pai de três filhos, avô de seis netos.  Agradeço a Deus ter chegado até aqui. Confesso que o mundo das necessidades materiais, que gera essa guerra de cada um só pensar em si, e que continua a fazer estúpidos estragos na maravilha da vida, desviando os seres humanos da ternura, há milênios,  nunca me apeteceu. Como se diz, “o mundo de Deus é grande, eu trago na mão fechada, o pouco com Deus é muito, o muito sem Deus  é nada”, finaliza o escritor.
Sobre o mais novo imortal da Academia de Letras da Bahia
Nascido em janeiro de 1939, em Itabuna (BA), Cyro de Mattos é diplomado em Direito pela Universidade Federal da Bahia, tendo atuado como advogado durante 40 anos nas comarcas da região cacaueira da Bahia. Jornalista com passagem na imprensa foi redator do Diário de Notícias, Jornal do Comércio, O Jornal, e nas revistas A Cigarra, Cadernos Brasileiros e Leitura, além dos suplementos literários do Jornal do Brasil, A Tarde, entre outros periódicos.
Os quase 40 livros já publicados garantiram a ele mais de 50 prêmios literários, entre eles o Prêmio Nacional de Ficção Afonso Arinos, concedido pela Academia Brasileira de Letras para o livro Os Brabos, o Prêmio Jabuti (menção honrosa) para a obra Os Recuados, além do Prêmio da Associação Paulista Críticos de Arte para o livro O Menino Camelô, entre outros. A sua mais recente publicação é o romance Os Ventos Gemedores, que narra as aventuras e conflitos de um ambicioso migrante do agreste para o sul da Bahia, em busca de terras e riquezas.
ERIC THADEU NASCIMENTO SOUZA
Assessor de Marketing Cultural

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Professor João Cordeiro de Andrade homenageado pela FTC/Itabuna

Faeg vence edital para semear cultura pelo sul da Bahia

RECUPERAÇÃO DA MATA ATLÂNTICA EM LIVRO