उम

Poe(Cachoeira)meu

O que me importa a rima
Se o seu curso jaz em agonia
O que me importa a métrica

Se o primeiro toque do réquiem já ecoou no tempo.
Sem esquife o seu curso jaz coberto pelas baronesas e
Pelos dejetos nossos de cada de dia, derramados em seu leito como se prantos fossem.

Em vida, plenos sempre cantados em versos e prosas pelas almas sensíveis.
Hoje na morte tu és tombado pelos antes inteiros ambientalistas, sem nenhum vintém, sugam o seu último suspiro com falsos remédios paliativos.

Como em Ladainha entoemos
Rio Cachoeira, rio dos ribeirinhos Rogai por nós
Dos pescadores amém.

Rio das lavadeiras usando o anil Rogue por nós
Rio das peladas nas margens amém
Rio testemunho dos amores e tragédias perdidas no tempo Rogue por nós,

Rio das estórias dos pescadores e outros mentirosos mais amém
Preciso de uma pausa (um fôlego)...
Não fui criança do Rio Cachoeira
Mas ao contemplá-lo sinto a energia do curso da história em busca do Mar...



Cláudio da Luz
18.05.2010

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Professor João Cordeiro de Andrade homenageado pela FTC/Itabuna

Faeg vence edital para semear cultura pelo sul da Bahia

RECUPERAÇÃO DA MATA ATLÂNTICA EM LIVRO