SOCIEDADE




Mais que a vida afora,
sem tempo e sem rumo,
é a sociedade varrida,
sem direção e sem prumo.

A luz da noite apagada
na cidade deserta.
Na revolução clareia,
a sociedade desperta.

Manchada de sangue,
terror, corrupção.
Sociedade mesquinha.
O que será do cidadão?

O que os homens fazem com ela
é absurdo e banal.
Crianças, jovens e adultos
só pensam no material.

Uma sociedade doente
no hospício da loucura.
O que ela mesmo precisa:
é gratidão e ternura.

Sociedade depressiva,
de tanto medo, insegurança.
Faz das casas, presídios.
Onde está a esperança?

A sociedade respira
o ar da poluição.
Grita, geme e chora
a dor da opressão.

Diante das feiúras,
se pode ver nela beleza:
a alegria, a paz, o bem,
o amor à natureza.


Rogério Medrado 
Poeta e escritor

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RECUPERAÇÃO DA MATA ATLÂNTICA EM LIVRO

DOIS POEMAS DO NATAL DE JOSELITO DOS REIS

PRODUÇÃO AUDIOVISUAL É TEMA DE NOVO LIVRO DA EDITUS