Poetas de A a Z por Glória Brandão

Abel Silva Pereira -  Nasceu na cidade de Ilhéus, na Bahia, em 1908, filho de Felisberto da Silva Pereira e de Emilia Mundi Negrão Pereira. Sua vida literária pode ser acompanhada através das inúmeras instituições especializadas a que pertence,

bem como por meio dos vários periódicos com os quais colaborou.

Fundador da Academia de Letras de Ilhéus, Bahia, foi também o seu primeiro Presidente. Ainda nesse Estado, pertence ao Instituto Histórico. Abel Pereira é membro de muitas outras instituições culturais, dentre elas a Associação Brasileira
de Imprensa, a Sociedade dos Homens de Letras do Brasil, A Ordem dos Velhos Jornalistas do Brasil, a União Brasileira dos Escritores, a Academia Maçónica de Letras, a Academia Guanabarina de Letras, a Academia Brasileira de Literatura (Rio).

Ariston Caldas  _ Nasceu em Ihambupe, norte da Bahia em 15 de dezembro de l923. Ainda criança mudou-se para o sul da Bahia, primeiro Uruçuca, depois Itabuna. No início da década de 70 mudou-se para Salvador, onde residiu por 12 anos. Voltou para Itabuna onde residiu até os últimos dias da sua vida. Jornalista de profissão. Trabalhou nos jornais a Tarde, Tribuna da Bahia e Jornal da Bahia. Fundou o periódico Terra Nossa da Federação dos Trabalhadores na Agricultura no Estado da Bahia. Em Itabuna, foi redator da Folha do Cacau, Diário de Itabuna, entre outros.Nos últimos tempos da sua vida, aqui na cidade de Itabuana, passou a se dedicar só a Literatura.
Ariston Caldas, poeta que gostava de nomear as suas musas dentro dos seus poemas ou sonetos. Singularidade que a poetisa Glória Brandão, quando em horas de prosas ao lado do amigo, dizia para ele que conhecia as suas Neusas, Dinalvas, Nicinhas, Dulces... e riam prazerosamente. Autor de grandes criações: Poesia - A hora sem astros- Olho d´água - Mar distante - Balada que vai e vem -  Dissipação - Além dessas colinas ( ficou no prelo) - Estrela Horizontal ( também ficou no prelo). Contos: Linhas Intercaladas ( sua última publicação) e ficaram no prelo,  Tempo sem primavera e Contos escolhidos. Crônica: Á margem do tempo ( ficou no prelo). Ariston Caldas faleceu na cidade de Salvador em 20 de fevereiro de 2007.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Professor João Cordeiro de Andrade homenageado pela FTC/Itabuna

Faeg vence edital para semear cultura pelo sul da Bahia

RECUPERAÇÃO DA MATA ATLÂNTICA EM LIVRO